Em estudo novas formas de purificar a água que bebemos
Edição Nº 91 - Março/Abril de 2018 - Ano XVI
Esta notícia já foi visualizada 4837 vezes.


Em estudo novas formas de purificar a água que bebemos



por Cristiane Rubim

Os filtros e purificadores se tornaram fonte de água limpa e saudável dentro de casa, retirando o odor dela e oferecendo um gosto melhor. O trabalho deles é remover cloro, produtos químicos, pesticidas, metais pesados e contaminantes bacterianos. Eles impedem a passagem de sujeiras suspensas na água e ainda eliminam substâncias usadas para o tratamento químico da água de consumo. Práticos e econômicos, a água deles custa menos do que a engarrafada, além de reduzir o descarte de lixo no meio ambiente. 
Mas existe um grande desafio para o setor, que são os lançamentos químicos feitos por produtos na água. Para isso, os fabricantes não medem esforços para desenvolver equipamentos mais preparados para enfrentar esta questão e, com isso, proteger a saúde dos consumidores. São estudadas também novas formas de purificar a água que bebemos. Tudo muito mais avançado. 

Importância
A água é o meio biológico na Terra, suporte de todas as formas de vida, que circula através do nosso corpo e faz com que as macromoléculas (proteínas, enzimas e genes) e as células do corpo funcionem bem. Dependemos da água para saciar a sede e reabastecer a água do corpo. Se a circulação de água em um corpo vivo diminui demais, a vida cessa. A água filtrada é importante para os sistemas imunológicos ainda em desenvolvimento das crianças. 
Segundo dados de 2017 divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 2 bilhões de pessoas no mundo consomem água contaminada por materiais fecais. Todos os anos ocorrem mais de 500 mil mortes por diarreia  conforme estimativa da OMS. O uso de filtros e purificadores se torna essencial para manter o bem-estar e a saúde de toda a família. 
A água dos filtros e purificadores de água reduz o risco de certos tipos de câncer, como o de reto, de cólon e de bexiga, fazendo a remoção do cloro e seus subprodutos, como os trialometanos (THMs). Diminui ainda em mais de 80% o risco de doenças gastrointestinais, removendo criptosporidium, e-coli e giardia da água potável. O carvão ativado remove seletivamente contaminantes perigosos da água potável e, em alguns casos, equilibra o pH da água. 

Riscos
Uma filtragem inadequada pode causar grandes danos. Alexandre Tambasc ...


AVISO

Para acessar esta matéria na íntegra é necessário estar logado.Clique aqui para realizar o seu cadastro!
Já tem login? clique aqui

Publicidade