Publicidade
MEIO FILTRANTE - Aneel autoriza a operação da usina solar Assu V no Rio Grande do Norte

Esta notícia já foi visualizada 187 vezes.

Aneel autoriza a operação da usina solar Assu V no Rio Grande do Norte

Data:9/1/2018

A Aneel publicou no Diário Oficial da União a autorização para operação comercial da usina solar Assu V. O despacho ANEEL/SFG 4.363/2017 confirma do COD da usina, que tem 30 MW de capacidade instalada, ocupa uma área de 72 hectares no município de Assú (RN) e contou com investimento de R$ 220 milhões.

Certificada pela Organização das Nações Unidas (ONU) no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Assu V vai gerar, além de energia renovável, créditos de carbono ao evitar a emissão de mais de 46 mil toneladas de CO2 por ano.
 
“Com essa usina ampliamos nossa experiência no setor fotovoltaico e consolidamos nossa entrada definitiva na geração solar centralizada”, diz o diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini. O empreendimento, segundo o executivo, reforça a estratégia global da ENGIE de investir na geração de energia renovável.

“Ao lado da geração fotovoltaica distribuída, este é um mercado para o qual visualizamos um crescimento expressivo nos próximos anos”, revela Sattamini.

O diretor de Geração da ENGIE, José Laydner, conta que estudos mostraram a forte incidência de raios solares e poucas chuvas durante o ano na região do Vale do Açu, onde está o projeto. “Essa é a condição ideal para a geração fotovoltaica”, sinaliza.

Até chegar aqui foram dois anos de estudos e negociações desde a vitória no 8° Leilão para Contratação de Energia de Reserva e 257 dias de obras desde o início da construção. A equipe de implantação viveu boas experiências e muitos desafios.

O principal deles foi a mudança do ponto de conexão do projeto ao Sistema Interligado Nacional, que estava programado para ocorrer na Subestação Açu 3. Com a interrupção da obra por parte do investidor responsável, a conexão passou para a Subestação Açu 2, já em operação.
 
“Todo o processo regulatório, arqueológico e ambiental da linha de transmissão foi reiniciado, o que demandou esforços de diferentes áreas da empresa.

No final recuperamos o cronograma e a conclusão das obras não foi afetada”, ressalta Laydner. “A construção seguiu o cronograma previsto, sem atrasos. Começamos em abril de 2017 e concluímos em 13 de dezembro, usando dez dias para testes”.

Programas socioambientais e inserção comunitária

Durante esse tempo, o poder público e a população foram receptivos ao empreendimento. Para a comunidade da região de Açu, a usina representa não apenas um aporte financeiro significativo.

“Geramos empregos, ajudamos a mitigar os impactos da crise, desenvolvemos e proporcionamos projetos sociais e ambientais”, diz Giuliano Pasquali, gerente da ENGIE para esse projeto.

Entre as ações socioambientais desenvolvidas estão o de Reflorestamento com plantio de 1,3 mil mudas; implantação do Sistema de Irrigação com monitoramento diário e o programa de Monitoramento da Fauna. Outro destaque é o programa de Educação Ambiental, que incluiu oficinas de capacitação.

“Essas oficinas foram escolhidas pelos moradores e contaram com ótima frequência e interesse”, ressalta Pasquali.

Em setembro, por exemplo, foram três semanas consecutivas. O tema Agroecologia nas Comunidades ensinou formas de atividades mais ecológicas para melhorar a convivência dos moradores com o meio ambiente. “Desenvolvemos três módulos com temáticas diferentes: Quintais e Produção Agroecológica; Gestão de Resíduos Sólidos Orgânicos e Gestão da Água”.


Fonte:  www.ambienteenergia.com.br 

Comentários desta notícia

Publicidade