Publicidade
MEIO FILTRANTE - Transporte de Carga do Programa de Logística Verde Brasil tem manual de boas práticas

Esta notícia já foi visualizada 668 vezes.

Transporte de Carga do Programa de Logística Verde Brasil tem manual de boas práticas

Data:12/7/2018

Dal Marcondes 


por Caroline Ligório, especial para a Envolverde 


Após lançamento do Guia de Referências em Sustentabilidade: Boas Práticas para o Transporte de Cargas em 2017, o Programa de Logística Verde Brasil (PLVB) lança o Manual de Aplicação em 2018 com intuito de dar orientações para que empresas estejam aptas a internalizar algumas das 22 Boas Práticas estabelecidas.

A aplicação das Boas Práticas leva à redução dos impactos ambientais, tais como o uso de energia, emissões de gases de efeito estufa (GEE) e poluentes atmosféricos, além dos custos, gerados pelas atividades logísticas. Consequentemente, a aplicação apresenta-se como meio de se alcançar o compromisso internacional do Brasil de reduzir as emissões de dióxido de carbono em 37% até 2025 e em 43% até 2030, tomando como base o ano de 2005.
Para que o compromisso seja cumprido, diversos setores devem se engajar e promover mudanças. Neste cenário, o setor de transporte de cargas é muito expressivo, representa cerca de 8% das emissões de CO2 relacionada ao uso de energia em todo o mundo, consome entre 9% e 12% da energia consumida no mundo e cerca de 19% da energia consumida no Brasil.

Se por um lado, 93,54% do transporte de carga é dependente de combustível fóssil, por outro representa 7% a 8% do PIB mundial e cerca de 12% do PIB brasileiro, por viabilizar o suprimento de cargas e serviços e por ampliar os resultados econômicos das empresas. O PLVB, iniciativa que reúne acadêmicos da UFRJ, do CEFET/RJ e 21 empresas auxilia empresas nessa mudança.

O Guia e o Manual dão maior detalhamento ao modo de transporte rodoviário, pois este é o mais utilizado em todo o mundo e no Brasil, onde responde por 60% da divisão modal. As 22 Boas Práticas para o transporte de carga são capazes de promover tanto impactos positivos ambientais como também econômicos; 80% delas levam à redução de custos, pois agem para reduzir o consumo de energia, os tempos de operação e aumentar a segurança, a confiabilidade, a flexibilidade e a capacidade de operação.

Dentre as Boas Práticas, a transferência modal do transporte de carga do modo rodoviário para o modo ferroviário tem os melhores resultados. Leva a uma redução de 40% nos custos operacionais ao mesmo tempo em que proporciona 47% de redução no uso de energia e 50% na redução da emissão de dióxido de carbono.

De forma simples e concisa, o Manual traz o passo a passo para que empresas possam identificar as Boas Práticas possíveis de serem adotadas em suas atividades. O procedimento divide-se em três etapas: escolha, aplicação e avaliação de Boas Práticas. A escolha pressupõe um conhecimento geral da equipe avaliadora, a identificação do baseline, seguida da escolha da Boa Prática a ser trabalhada.

Na identificação de uma Linha de Base é preciso um olhar abrangente da cadeia logística, o qual engloba a parte de suprimento, segmento da cadeia que antecede o fabricante principal (fábrica), e a distribuição física, segmento da cadeia entre o fabricante principal e o consumidor final. Para a seleção da Boa Prática, o Manual recomenda o uso do Guia e da Análise SWOT, pela facilidade de uso da ferramenta e pela possibilidade de análise do ambiente interno (forças e fraquezas) e externo (oportunidades e ameaças).

O segundo passo, a aplicação de Boa Prática, consiste na efetiva incorporação desta nas atividades da empresa. O terceiro passo, avaliação de Boas Práticas, pressupõe uma avaliação dos resultados obtidos antes e depois da aplicação. Essa avaliação é realizada em quatro etapas: comparação dos resultados obtidos, análise das incertezas, criação de alternativas para comparações futuras e análise das possibilidades de implementação das Boas Práticas.
De posse dos resultados, a divulgação destes deve ser feita por meio de um documento escrito denominado Relatório Técnico para Aplicação de Boas Práticas. Em acréscimo, recomenda-se a realização de workshops com os envolvidos para apresentar e validar os resultados alcançados.

Os treinamentos feitos pelo Programa de Logística Verde Brasil complementa a aplicação do Manual de Aplicação de Boas Práticas e fazem parte do processo de construção de conhecimento. Márcio D’Agosto, Coordenador Técnico do PLVB, salienta o papel dos treinamentos para as empresas. “Essa atividade busca promover o nivelamento e a difusão do conhecimento sobre conceitos básicos de logística, sustentabilidade aplicada ao transporte de carga e logística e avaliação de desempenho logístico. Temos muita informação e pouco conhecimento, por isso o treinamento é importante”.

O PLVB tem o intuito de em 2019 lançar o Guia de Excelência em Sustentabilidade e um sistema de credenciamento das empresas, para que em 2020 possa lançar o Selo Verde Logística. As empresas interessadas em fazer parte do programa reconhecido por instituições internacionais de renome, como o SFC (Smart Freight Center), devem entrar em contato com o programa.  


Fonte: Envolverde

Comentários desta notícia

Publicidade